Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Número de pretendentes é quase 6 vezes maior do que o número de crianças disponíveis

De acordo com os dados do relatório do CNJ gerado em Maio/2015 o número de pretendentes é quase 6 vezes maior do que o número de crianças disponíveis.



gerado por Piktochart



No gráfico abaixo é possível ver a diferença por raça branca, negra, amarela, parda e indígena confrontando pretendentes X crianças/adolescentes.

gerado por Piktochart

terça-feira, 19 de maio de 2015

Novo Cadastro Nacional de Adoção promete simplificar e acelerar processos

Inovação do sistema tem objetivo de facilitar a identificação de crianças e famílias que pretendem adotar

Por Crescer online - 14/05/2015 08h32 - atualizada em 14/05/2015 12h40
 
bebê adoção cadastro nacional de adoção  (Foto: thinkstock)


Quem pretende adotar crianças tem motivos para comemorar. O Cadastro Nacional de Adoção (CNA), criado em 2008 pelo Conselho Nacional de Justiça, agora está mais eficiente e promete acelerar o processo.

Desde o início, o objetivo do CNA era facilitar a identificação de famílias dispostas a adotar e crianças que se encaixassem em cada perfil. Mas a defasagem do sistema utilizado até então fazia com que ele estivesse constantemente desatualizado e, por consequência, não funcionava como era esperado.

Agora, com o novo CNA, está mais fácil o preenchimento de informações pelo juiz e o cruzamento de dados entre os pretendentes e as crianças de todo o Brasil. Assim que um juiz preencher o cadastro de uma nova criança, ele será informado pelo sistema sobre a existência de pretendentes na fila de adoção em busca daquele tipo de perfil. O inverso também irá acontecer quando o juiz inserir um novo pretende no CNA.

 
Boas notícias
 
Outra novidade positiva é que a tecnologia irá alertar os juízes quando um registro de família ou de criança ficar inativo por muito tempo. Então, deverá haver uma consulta a esse processo para checar quais obstáculos estão impedindo a adoção.

Hoje, o CNA soma 33,5 mil pretendentes e 5,7 mil crianças que podem ser adotadas. O novo sistema está em funcionamento desde ontem (13).

“Essa forma simples faz do CNA, efetivamente, uma ferramenta para auxiliar o juiz na busca de aproximar o adotando e os possíveis pretendentes, facilitando o processo de adoção, que deve ser o seu objetivo maior”, disse a corregedora ministra Nancy Andrighi em sessão plenária do Conselho Nacional de Justiça, quando o novo cadastro foi anunciado.


Fonte: CRESCER | Você precisa saber

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Piquenique em comemoração ao Dia Nacional da Adoção


Este ano queremos celebrar o Dia Nacional da Adoção (25/05/2015), para comemorarmos esta data importante estamos convidando a todos para nos reunirmos, confraternizarmos, trocarmos experiências e nos conhecermos em um agradável piquenique!

Este piquenique acontecerá no dia 24 de Maio, em um Domingo, à partir das 10:30hs no Parque Villa Lobos (São Paulo-SP), nos próximos posts falaremos a área exata do parque que estaremos.

Estamos ansiosos e esperamos que seja um sucesso, venham e tragam toda família para fazermos deste domingo um dia especial , pedimos que tragam quitutes e bebidas para seu próprio consumo!

Falaremos mais sobre o assunto em futuros posts...

Parque Villa Lobos Endereço: Avenida Professor Fonseca Rodrigues, 2001
Bairro: Alto de Pinheiros
Cep: 05461-010 São Paulo - SP

O Parque fica a 500 metros da Estação Villa Lobos Jaguaré (CPTM).

O estacionamento é gratuito.



Esperamos vocês lá ;)

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Posso mudar o nome do meu filho?

Pode sim, mas não é recomendado mudar o nome de crianças com mais de dois anos de idade, pois este nome já faz parte da sua personalidade.

Para as crianças com menos de dois anos os especialistas não enxergam problemas quanto a mudança de nome e em muitos casos quando a Vara da Infância e Juventude faz aquela ligação tão esperada informando que chegou a sua vez, o nome é o que menos importa e muitos acabam nem alterado o nome de nascença (se assim podemos dizer) desta criança.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Como conversar com seu filho sobre a adoção?



Sabemos que para alguns pode ser tranquilo, para outros um momento muito delicado e esta pergunta foi compartilhada recentemente em nossa página do Facebook fazendo com que dezenas de pessoas enviassem suas considerações que foram tão bacanas e úteis que resolvemos compilar a maior parte delas neste texto.



Luana: não espere para contar, minha mãe me contou eu tinha uns 04 anos, lembro como se fosse hoje, disse que ela era minha mamãe do coração, que eu tinha outra mamãe mas que ela não tinha condições de ficar comigo, mas que ela me amava muito e eu seria muito feliz com ela.

Depois descobri que aquela historia de não ter condições não era bem a verdade.

Mas acho que foi a melhor forma dela me contar.
 

Fale com muito carinho para que seu filho(a) compreenda isto de uma forma natural, assim não ficarão traumas.

Boa sorte!



Vera: Tenho uma riqueza incalculável aqui em casa chamada Rebeca, aos 3 anos começou com as perguntas depois que viu a minha foto grávida do irmão (meu filho biológico).

Contei de uma forma bem simples que ela ficou na barriga de outra mulher e depois veio para mim sua mãe verdadeira. Hoje ela está com 5 anos e aos poucos estamos construindo a sua história.

De uma coisa eu tenho certeza, em cima da mentira não se constrói nada. Por isso vou introduzindo a verdade sempre que ela se mostra curiosa e interessada.

Ela é minha vida quero vê-la feliz e sempre segura do meu amor.



Ana Paula: Conte histórias de super heróis, como Superman, homem aranha... Eles não foram criados pelas famílias biológicas, mas foram recebidos por pessoas q os amaram e ficaram felizes por tê-los.


Josiane: Tenho 36 anos e sou o tesouro de alguém. Quando eu soube não foi minha mãe quem me contou corri até ela chorando e lhe perguntei diz que é mentira delas mamãe diz, lembro que ela ficou furiosa pq ela não queira que eu soubesse a verdade mas enfim soube e ela me disse uma coisa que acalmou meu coração daquele momento adiante que foi : filha você não nasceu da barriga da mamãe você nasceu do meu coração. Ela disse Deus quis assim você com duas mães uma para nascer e a outra para cuidar então filha poucos são especiais como você. Bjos fique com Deus com seu grande tesouro


Marcela: Bom a minha estrelinha já chegou para nós com três anos, então ela entendia mais ou menos o que estava acontecendo, inclusive ela fala da família biológica, mais foram tantos os traumas que ela nem sentiu falta,mas a psicóloga disse q com o tempo ela iria meio q esquecer, e assim ta sendo, mas disse também para lidarmos sempre com a verdade, em doses pequenas, mas nunca mentir, e assim estamos levando, ela é uma garota super tranquila, inteligente, vai fazer 7 anos, e foi para o primeiro ano. Só sei que a amamos muito.


Claudia: O meu amorzinho tem 6 anos e desde 1 ano e meio já conto historinhas sobre o assunto. A medida q ele foi crescendo fui contando mais detalhes e hj ele já comenta sobre a família biológica naturalmente. Conte logo. Melhor saber da sua boca do q de alguém maldoso.


Mari: Eu acho que existe um grande dimensão e um grande erro das pessoas acharem e sentirem que mãe verdadeira é aquela que dá a luz, e não é assim.

Quando alguém fala isso para a criança ela sente esse sentimento de que tudo o que ela pensou e sentiu era uma mentira, ela não tem uma mãe de verdade. Acho que eu tentaria da melhor forma possível colocar na cabecinha da pequena que ela é minha filha sim, eu amo, morreria por ela como por qualquer outro filho de sangue, ela apenas foi gerada de uma maneira diferente.

É preciso passar segurança do amor para a criança.



Maria: tenho uma princesa de três anos e eu falo pra ela, que antes de eu ganhar ela do papai do céu eu e papai era muito triste e agora que eu tenho ela a minha vida é feliz, eu disse a ela que o papai do céu guardou ela pra mim em uma outra barriga ate que chegou a hora e ele mandou ela pra mim pra sempre


Carla: Tenho dois meninos de 7 anos um não pergunta nada porem o outro o tempo todo me questiona e eu sempre digo Você não nasceu de mim e sim para mim o papai do céu já sabia que VC seria só meu e me fez te encontrar , e acabo a conversa enchendo ele de tantos beijos q as vezes acho que ele pergunta só para ter esse momento. Tenho meus medos porem ensino meus filhos que a verdade e sempre o melhor caminho. fique com Deus


Viviane: Nunca eh fácil, porem eh necessário. Minha filha tem 4 anos, saiu da maternidade e veio pra mim. Desde sempre conto historias de que Deus a Desenhou que fez ela todinha e que deitadinha numa nuvem com Deus ela escolheu o papai e a mamãe.

Porem qdo Deus lançou a sementinha o vento levou para barriga de outra mulher, foi uma confusão mas que qdo ela nasceu as fadinhas me chamaram e eu fui correndo busca-la na maternidade.

Ela conta pra todo mundo sua historia, mas mesmo assim comecei a sentir uma certa revolta de ser "diferente" das primas, ai então faço um tratamento com homeopatia com uma médica e psicóloga.

Foi excelente.... recomendo pra quem nunca falou nada ir devagar. Responda as perguntas qdo elas vierem com clareza e sem se estender muito. Crianças são objetivas. Boa sorte, com carinho tudo dará certo. Particularmente não chamo de mãe a doadora e sim de Genitora. Pra mim Mãe sou soh eu.

Ela não teve 2 mães. Mas essa eh minha opinião. Apesar de eu guardar dentro de mim grande gratidão pela doação desta genitora.



Adelia: Eu tenho duas princesinha do coração desde pequeninas eu conta pra elas que elas não saíram da minha barriga mas do coração. A minha Cacau com três aninhos adora ouvir e da gargalhadas quando conto a historinha dela. Agora a mais velha minha Gigi como chamo ela tem 7 anos já entende mais e sempre faz perguntas sobre sua historia eu procuro contar sempre a verdade.


Diana: A verdade é a melhor opção. Mesmo que vc precise começar com certa fantasia, mas nunca deixe de dizer. Afirmo isso porque verdades me foram omitidas, e a dor do abandono e feridas continuam até hoje. Você ama seus filhos: seja verdadeira, respeitando a idade deles. Melhor que desde pequenos entendam, do que crescerem numa mentira.


Narcisa: Ensinei que nós dois temos q agradecer todos os dias a mamãe q deu ele para mim, que ele foi escolhido, falo qdo necessário bem da mãe biológica, hoje ele tem 14 anos, sabe de tudo e no colégio conversa o assunto com naturalidade, amor .maior não há. boa sorte.


Solange: A verdade sempre acima de tudo, o meu q é especial já contei a ele, q eu não tinha bebe, ai fui contando de maneira simples na linguagem q ele pudesse entender, aceitou numa boa!!!se não conseguir peça ajuda profissional!!!


Cristina: A verdade é sempre melhor. Descobri aos 8 anos depois de perguntar à minha mãe, a dúvida já era frequente e as diferenças físicas mais do que evidentes. O mais importante é resolver o medo no seu coração primeiro, pra que a criança sinta que o que aconteceu não é algo ruim, que deve ser escondido, mas, algo tão forte e poderoso que a torna mais especial.

Já adulta li o livro "Em busca de mim" da Isabel Vieira, vai te ajudar a ver a situação pelos olhos do seu maior tesouro. Que o amor de Deus guie o seu coração e encha a sua boca pra falar da verdade com autoridade, que o Senhor abençoe sua família!



Simone: Meninas tenho uma princesa que vai completar 5 anos, esperei muito por este momento tinha medo dúvidas pedi ajuda para meu professor da faculdade que é psicólogo, foi tudo bem natural conversar com a minha filha contei toda história como aconteceu de verdade, e sempre falando que ela foi e é o bem mais precioso da minha vida que amo muito que Deus me deu o presente mais lindo do mundo ela não saiu da minha barriga mais entrou para sempre no meu coração.


Letícia: Olha, talvez isso ajude, minha mãe me contou sobre minha adoção de maneira muito tranquila, toda a noite em vez de contar histórias de contos de fadas ela me contava a mim minha história (o que não deixa de ser), com o passar dos anos fui associando de que a personagem principal era eu e foi super tranquilo compreender e conviver, não tenho problemas nenhum em falar sobre, acho que é valido tentar !!


Junia: O pediatra da minha filha tem me ajudado muito e ele me disse uma coisa que gostei muito. Responda só o que ele(a) te perguntar, não rodeia e nem invente histórias. Tipo: mãe o que é adotado ou adoção? É. Ter duas mães.


Maria: Tenho uma filha linda de 7 anos e como é muito inteligente, já entendeu q a personagem da historinha que eu contava era ela...agora ela me fez algumas perguntas, normal, até porque está na fase dos porquês...então, a orientação é dizer a sempre a verdade, mas responder somente o que lhe for perguntado. Outro cuidado que se deve ter, é com a linguagem...termos como abandonado, desprezado, jamais podem ser usados...haja nessa situação de uma forma normal, mostre o lado positivo da sua felicidade.


Lucenir: Meu filho tem 5 anos e ele sempre soube q veio de dentro do coração. Comece a explicar pra ele de onde ele veio (coração q ele foi gerado) e é de lá q ele nunca vai sair. Com meu filho sempre digo a ele e ele conta com o maior orgulho pra td mundo q ele foi gerado dentro do meu coração e não na barriga.


Olinda: Eu tenho um, meu maior tesouro, fiz mais ou menos como a Letícia,só q comecei a contar a historia dele qdo ele tinha uns dois a ninhos,ele adorava e toda noite me pedia p contar a historia dele...não esconda nada,fui orientada por psicólogos a falar sempre toda verdade e só responder o que a criança perguntar, responder naturalmente. Hoje meu filho tem 22 anos nunca tive problemas com ele em relação a isso. Ele é minha vida! Boa sorte! Que Deus abençoe vcs!!!


Silvana: Eu já contei desde o dois anos. Deus fez uma sementinha muito especial e plantou na barriga de uma mulher. Então nasceu Joãozinho. Joãozinho foi pra casinha de guardar crianças e ficou lá sendo cuidado até o papai e a mamãe irem buscar... Este é o começo por aqui.


Glaucia: Tenho 2 filhos do coração, o primeiro adotei quando eu tinha apenas 17 anos (mas já era casada) fiz esta pergunta a assistente social na época, e ela me entregou um livrinho de uma historinha muito linda que dizia assim...

"Havia um anjinho no céu muito lindo, o seu nome era (o nome do seu filho) Douglas! Um certo dia Jesus chamou o anjinho Douglas e seus amiguinhos para escolherem suas mamães na terra. Todos correram pra cima de uma nuvem e começaram a observar as possíveis mamães aqui na terra.

Pedrinho um anjinho loiro viu sua mamãe apontou e disse: - é ela! Quero esta pra ser minha mamãe!

E assim fizeram os outros anjinhos. E Douglas continuava a observar até que de repente ele gritou! - Encontrei! Quero aquela ali!
Jesus coçou o queijo e resmungou... hummm!
E depois falou:
- Vamos ter que achar uma solução! Esta mamãe ñ esta disponível no momento, a caminha na barriga dela onde o bebezinho fica não esta pronta! E agora o que vamos fazer?
Um anjinho que já havia escolhido a sua mamãe sem maiores dificuldades falou:
- Tenho uma ideia! Pq o senhor não coloca o anjinho Douglas na caminha de uma outra mamãe e assim quando ele estiver pronto pra nascer esta mamãe entrega ele para mamãe que ele escolheu!
Jesus adorou a ideia e assim o fez. Então juntos escolheram outra mamãe para o anjinho Douglas crescer até ficar prontinho pra ser levado para aquela mamãe que ele escolheu!
E assim todos viveram felizes para sempre! "


Ele cresceu ouvindo esta historinha, adorava! Até que um dia vieram as perguntas e ei as respondia com muita naturalidade, sem esconder nada! Depois tive uma filha biológica, e mais tarde quando meu filho já estava com 14 anos adotei mais uma menina que hoje está com 7 anos, repeti a mesma historinha e continuo agindo com naturalidade respondo a cada pergunta com muita sinceridade sem esconder nada!


Regilane: Minha filha de cinco anos, então desde bebezinha embalo o soninho dela com sua historinha. Falo de forma simples conto uma historinha que e ela é a personagem central. Ela é muito inteligente e aos poucos foi entendendo que ela era o personagem principal da historia...então outro dia fui busca-la na escola e fui surpreendida pela professora que me relatou que ela havia contado a sua historinha em uma roda de conversa com seus coleguinhas.

A tia ficou muito admirada por sua desenvoltura e surpresa porque também não sabia da sua historia.

Acredito que a melhor forma de falar sobre adoção para um filho de coração é falar sem medo mostrar para ele segurança. Amor e jamais que ele foi vitima de uma historia fracassada.

A criança precisa entender que foi adotada porque é especial, que nasceu no coração porque é um lugar muito especial... portanto responda as perguntas com amor e naturalidade deixa ela saber que é muito especial e também que vc é a mãe e tem domínios sobre ela.

Bem perguntas sempre virão..rs faz parte porem se preocupe em tornar tudo natural..assim ela vai sentir que é realmente de coração. Boa Sorte.



Rita: O correto é não esconder, fale a verdade de maneira simples. Para o meu filho eu falei que a genitora emprestou a barriga pra mim para que ele viesse depois para os meus braços, que ele era uma criança especial para mim. Que o meu amor é muito grande. E todos os dias digo que o amo muito. A criança é esperta e aos poucos perceberá que este é apenas um detalhe e com o passar dos anos não fará diferença nenhuma. Trate-o normalmente, que a criança receberá a notícia como algo normal. Boa sorte.


Adoção Brasil no Facebook